Mercado

Braskem pretende atingir capacidade nominal na nova planta de Polipropileno dos Estados Unidos até o final de 2020 diz CEO

A nova planta de polipropileno, Delta, da Braskem America em La Porte, Texas, espera atingir sua capacidade nominal de 450.000 toneladas/ano até o final do ano, disse o CEO da América do Norte, Mark Nikolich, em 24 de setembro.

“No final do ano, estaremos operando a uma taxa de referência de 450.000 mt”, disse Nikolich durante uma coletiva de imprensa virtual. “E já demonstramos que a planta pode funcionar nessa taxa. Não demonstramos que a planta pode funcionar nessa taxa por vários meses consecutivos, obviamente, porque a operação da fábrica começou recentemente, mas já demonstramos esse nível de taxa de produção. “

A Braskem anunciou o início da produção comercial da Delta em 10 de setembro. O projeto levou 3,5 anos para ser concluído e custou US$ 750 milhões. É capaz de produzir homopolímero, copolímero de impacto e copolímeros aleatórios.

Como a planta da Delta é nova, ela pode enfrentar alguns desafios que atrasam o alcance de sua taxa de capacidade nominal, como paralisações temporárias, disse Nikolich.

“Nossa expectativa é que isso aumente até o final deste ano”, disse ele. “Digo que estamos produzindo quantidades comerciais nas últimas duas semanas e acho que o comissionamento e o inicio da operação estão indo extremamente bem.”

Em termos de destinação das vendas, a Braskem pretende destinar metade do novo volume para a América do Norte, incluindo o México, disse Nikolich.

“Isso dependerá das necessidades do cliente, das necessidades estratégicas do cliente e de como os fretes são espalhados globalmente, porque vamos continuar a otimizar o que fornecemos – onde fornecemos e como fornecemos e o que fornecemos”, disse Nikolich.

Por enquanto, o Brasil ainda é capaz de atender os clientes da Braskem globalmente, enquanto a fábrica da Delta terá como foco o mercado americano, disse Nikolich. A expectativa da empresa é atender clientes estratégicos nos EUA nos próximos quatro a seis meses, disse ele, devido a menor disponibilidade do PP no mercado interno.

“A demanda superou em muito a oferta”, disse ele. “No momento, nosso grande foco é atender às necessidades de demanda na América do Norte devido ao estreitamento da oferta e, em seguida, começar a se espalhar para atender nossas afiliadas em outras partes do mundo.”

As operações da Braskem nos EUA anteriormente importavam PP de suas franquias no Brasil e na Europa, mas agora o objetivo é reverter esse fluxo, disse Nikolich.

“Somos o maior fornecedor do Brasil”, afirmou. “Então, neste momento, o Brasil precisa de todos os estoques que puder manter de PP para abastecer o mercado interno e, local, o Mercosul.”

Sobre seu hub de exportação em Charleston, Carolina do Sul, Nikolich disse que permite à empresa aumentar sua participação de mercado na Europa sem aumentar a capacidade produtiva e permite otimizar o frete na América do Sul, acrescentando que é menos caro fornecer para a Costa Oeste da América do Sul do que para o Brasil em muitos casos.

Em termos de consumo de matéria-prima, a Braskem afirmou ser a maior compradora de propeno da América do Norte e que compra de diversas fontes: PDHs, refinarias, reformadores à vapor e unidades de metátese.

“Isso nos dá uma cesta de indicadores que mitigam o risco de volatilidade, mitigam um pedaço do mercado de fornecimento de propeno que se desequilibra com outro”, disse Nikolich, acrescentando que a Braskem entrou no mercado em um período de tempo em que havia excesso de propeno para garantir os contratos de fornecimento para a planta Delta. “Esses contratos são os contratos mais competitivos desse tipo na Costa do Golfo dos Estados Unidos”, disse ele.

Nikolich disse que a planta Delta foi projetada para ser extremamente competitiva em termos de custos – não projetada para fazer muitos materiais especiais, mas com foco na eficácia de custo. No entanto, ele disse esperar pelo menos quatro novas fábricas competirem no mercado de PP norte-americano com a Braskem no futuro.

“Estamos prevendo claramente que alguma capacidade produtiva nova está chegando, o que reduzirá essas margens”, disse ele. “Nossa expectativa é que, quando a capacidade for iniciada, haverá uma queda nos spreads, mas depois os spreads voltarão a subir e voltarão aos níveis anteriores que suportavam esse reinvestimento.”

Fonte
S&P Global
Etiquetas
Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar